Resenha: Nuvens de ketchup - Annabel Pitcher

Sinopse: indicado ao prêmio Edgar Allan Poe na categoria juvenil, Nuvens de ketchup é o segundo romance da inglesa Annabel Pitcher, autora do também premiado Minha irmã mora numa prateleira. A trama gira em torno da jovem Zoe, que narra, por meio de cartas enviadas a um prisioneiro condenado à morte, seu dia a dia com a família, seus envolvimentos românticos e um segredo sombrio que ela não tem coragem de contar a mais ninguém. As inúmeras dimensões dramáticas da jovem protagonista e a narrativa cativante mostram o desabrochar da juventude e percorrem temas como amor, culpa, luto, erros e acertos de forma sensível e bem-humorada.

Zoe não era seu nome verdadeiro, assim como Avenida da Ficção não era seu endereço, mas é protegida por essa falsa identidade que uma menina da Inglaterra começa a escrever cartas para um prisioneiro condenado à morte no Texas. Meses antes da primeira carta, algo terrível aconteceu e a culpa passou a fazer parte de seus dias. Sufocada, Zoe precisa contar seu sombrio segredo para alguém. Foi assim que ela escolheu o Sr. Stuart Harris em um site sobre o Corredor da Morte, entre tantos outros presos que desejavam trocar correspondência, como uma espécie de confessor. Afinal, quem melhor para entendê-la do que alguém que cometeu um crime que ela acha comparável com o que fez? 

Nas cartas, Zoe narra os fatos que desencadearam o fatídico 1º de maio e os demais acontecimentos de sua vida no último ano. Ela mora com os pais e tem duas irmãs mais novas, Sophie e Dot. Esta última é deficiente auditiva e recebe toda a atenção da mãe, que, mesmo não sendo tão presente na vida das duas filhas mais velhas, é extremamente controladora. Para contornar o controle materno e fazer as coisas que tem vontade, a adolescente passa a usar algumas artimanhas, que logo evoluem para mentiras. As coisas complicam quando ela se vê em um triângulo amoroso e esconde dos envolvidos esse importante detalhe. As consequências foram devastadoras.

Apesar da premissa interessante, achei que a história não foi tão bem explorada quanto poderia ser. As cartas, por exemplo, foram um recurso subutilizado e só podem ser classificadas como tal por conterem alguns elementos comuns nesse tipo de texto, como vocativo, despedida e assinatura. No mais, de nada diferem de uma narrativa em primeira pessoa. 

Também não há um envolvimento entre Zoe e Stuart. Tomamos conhecimento do crime cometido pelo prisioneiro e de alguns detalhes sobre sua vida porque Zoe leu a respeito do caso e comenta vez ou outra nas cartas. Percebemos que a menina aos poucos se sente mais próxima dele, pois o vocativo vai de um formal "Sr. Harris" nas primeiras cartas para "Stuart" nas seguintes e, já nas últimas, para apenas "Stu". E só. Acredito que uma troca de cartas entre os dois tornaria a trama muito mais rica, mas só me dei conta de que isso jamais aconteceria quando lembrei que o endereço usado por ela era falso. Pena.

Zoe foi uma protagonista que me deixou dividida. Vários elementos da história dão a entender que ela tem entre 15 e 17 anos, mas muitas vezes ela soa como tendo bem menos. Algumas falas e atitudes são bastante imaturas para alguém nessa faixa etária, o que me incomodou. Por outro lado, o peso da culpa que carrega conseguiu me tocar um pouco. 

Annabel Pitcher, apesar de tudo, me manteve presa do início ao fim. É que logo nas primeiras páginas sabemos o que aconteceu, o suspense todo fica por conta do como e com quem. Respostas que só são dadas na parte final. A curiosidade aliada à escrita fluida tornam a leitura rápida.

Nuvens de ketchup está longe de ser um livro ruim, apenas aborda superficialmente temas que poderiam ser mais desenvolvidos e que fariam com que ele se tornasse mais do que um triângulo amoroso adolescente que não terminou bem. É isso que a sinopse dá a entender, mas talvez não fosse mesmo a intenção da autora. 

10 comentários:

  1. Oi Carla! Terminei um livro com um premissa ótima, mas que a autora pecou pela abordagem superficial e ao ler esta resenha parece que você sentiu algo parecido com esta leitura. No momento eu não leria este livro.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi exatamente isso, Cida. O livro tinha potencial pra ser tão melhor!

      Excluir
  2. Graças a Deus alguém que pensa como eu. Também achei a Zoe bastante imatura. E concordo que o livro ficaria mais rico se tivesse a troca de cartas. Pra que colocar como destinatário um cara com a bagagem do Stuart e nem fazer uso disso na história né? Escrever pra ele e escrever num diário daria no mesmo, já que a autora não explorou o personagem. Realmente ela perdeu a chance de fazer o livro ser mais que um triângulo amoroso adolescente que não deu certo. Maaaas, gostei das reflexões mais pro final do livro, do ar de esperança que ficou no ar.
    Bjks!!!

    ResponderExcluir
  3. Sabe que fiquei curiosa pra ler? Eu gosto de tirar minhas próprias conclusões sobre os livros e esse aí eu adoraria ler pra saber como me sinto em relação a ele!

    xox
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bom? Eu não conhecia o livro, e lendo a premissa fiquei muuuito interessada, mas quando vi sua resenha desanimei, acabei de ler um livro que não gostei do desenrolar da autora e acho que não vou me aventurar em outro por enquanto hahaha Mas vou anotar a dica ... adorei a resenha ^^

    Beijos
    https://resenhaatual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Carla!
    Faz algum tempo que li "Nuvens de Ketchup", mas me decepcionei bastante.
    Concordo com você em vários pontos: essa narrativa só é composta por cartas por causa da saudação e da despedida. Nada mais. Além disso, também achei uma pena não haver uma real troca de correspondências. Uma pena quando uma trama que poderia ser ótima é tão mal aproveitada, né?
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, Carla!
    Primeiro, que achei que esse livro seria mais um romance YA. Quebrei a cara.
    Segundo, que pena que não souberam explorar melhor a trama. Ela parecia prometer muito.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção seis anos de Caverna Literária

    ResponderExcluir
  7. Oiii, Carla. Tudo bem?
    Eu não conhecia livro, mas gostei de conhecer. A proposta dele é bem legal mesmo, pena que teve esses pequenos probleminhas ao longo da história :(
    Mas ainda assim, fiquei bem curiosa. Eu sou a louca dos triângulos amorosos e sei bem como eles tendem a acabar mal. Inclusive tenho um conto na amazon que fala sobre isso "Excesso de amor". Então fiquei bem curiosa para saber como é que esse termina... vou adicionar na lista, mas espero curtir mais do que você. Será que serei surpreendida ou ficarei decepcionada?
    Beijoooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Carla.
    A ideia do livro é ótima, pena que não foi tão trabalhada.
    Acabei de ler um livro e foi exatamente isso que aconteceu, não foi uma leitura ruim, li em algumas horas, mas ficou longe de ter ganhado meu coração.
    Beijo

    Te Conto Poesia ♥

    ResponderExcluir
  9. Oi Carla
    Talvez fosse realmente a ideia da autora,não conhecia o livro,pela capa parece ser interessante,mas não leria ele, achei alguns criticas que me surpreenderam.

    Abraços;**
    http://febredelivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe seu comentário, sua opinião é super importante para nós.

© Entre Aspas - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo