Resenha: Ausência - Flavia Cristina Simonelli

Sinopse: “O que é um homem sem memória? Um homem que não se reconhece mais em nenhum tempo, nenhum lugar, nenhum rosto?” Daniel é médico neuropsiquiatra e começa a tratar de Ervin de Apolinário, professor aposentado que apresenta uma doença degenerativa. Tudo estaria dentro da rotina do consultório, não fosse a doença de Alzheimer reavivar na memória de Daniel antigas dores, misturadas à paixão obcecada por Natasha, filha do paciente, provocando a desestruturação de seu casamento e a culpa por transpor seus limites éticos. Ausência é um romance que coloca ao leitor uma questão perturbadora: o que acontece quando a mente começa a apagar as lembranças que constituem a própria biografia? O desenvolvimento do Alzheimer e o dilema de Daniel são o fio condutor dessa trama permeada por relações complexas e questionamentos existenciais que levam a refletir sobre o dinamismo inesperado da vida. 

Esse livro me chamou a atenção desde a primeira vez que o vi por todo seu conjunto: título, capa e sinopse. A Flavia me enviou e, assim que recebi, parei outras leituras para me dedicar a ele. E não me arrependi.

O livro mexeu comigo desde as primeiras páginas. Ervin dedicou toda a sua vida ao seu trabalho, construiu uma carreira acadêmica brilhante e era admirado por alunos e colegas. É triste acompanhar a evolução de sua doença e vê-lo pouco a pouco perder as lembranças de tudo que foi e de tudo que construiu. Ainda lúcido, sente-se envergonhado de seus esquecimentos, das vezes em que se perde no bairro onde mora há anos e da necessidade de ser ajudado por outras pessoas. Antes de ser diagnosticado, precisa lidar com a incompreensão da esposa que irrita-se por precisar repetir e explicar as coisas várias vezes. Natasha, a filha divorciada que volta a morar com os pais, sofre ao perceber que está perdendo o pai pouco a pouco, já que chega um momento em que ele nem a reconhece mais.

Daniel é o médico responsável por cuidar de Ervin e seu tratamento traz lembranças dolorosas a respeito da avó, também acometida pelo Alzheimer quando ele ainda era criança. Casado há 17 anos, sua vida conjugal há tempos caiu na rotina. Quando conhece Natasha, sente por ela uma forte atração que pode pôr em risco seu casamento.


A ausência do título está presente na vida de todos os personagens. A ausência provocada pelo Alzheimer, que faz com que pouco a pouco Ervin se ausente de si mesmo, de seu lugar de pai, de marido, de professor respeitado; a ausência do médico Daniel em sua vida conjugal e familiar e, posteriormente, na vida de Natasha. Ironicamente, é essa última ausência que definirá os rumos do triângulo amoroso, num final que me agradou bastante.

Recomendo muito a leitura! 
O livro é muito bem escrito e os diálogos entre os personagens, principalmente Daniel e Natasha, são inteligentes e cheios de reflexões. De um jeito tocante e delicado, podemos conhecer um pouco mais sobre essa doença tão cruel, cujas consequências afetam tanto o paciente como aqueles que convivem com ele.

Depois de ler o livro, lembrei de um filme lindo que assisti há alguns anos, Longe Dela. Nele
Grant e Fiona formam um casal feliz, que tem sua vida abalada quando ela apresenta alguns graves sintomas, como perda de memória. Logo vem a confirmação: Fiona está com o mal de Alzheimer. Relutante a princípio, ela passa a aceitar a doença e se interna numa clínica. Uma das regras do local é que os pacientes não recebam visitas durante seus primeiros 30 dias. Quando Grant finalmente consegue vê-la, ela já não o reconhece mais. Fiona está agora afeiçoada por Aubrey , outro paciente da clínica, o que faz com que Grant tenha que se contentar com sua nova condição de amigo ao mesmo tempo em que tenta ajudá-la a se lembrar do passado (Fonte: Fimow)

23 comentários:

  1. Oi, Carla!
    Ahhh, eu adoro tramas assim, com temas que colocam a prova um relacionamento e, especialmente, abordam doenças, sem ser clichê. Esse livro me lembrou um pouco o filme francês Amor, que conta sobre um casal de idosos que tem de conviver com o derrame de Anne, que a deixa paralisada de um lado do corpo. É muito bonito. Se você gosta de filmes estrangeiros vai gostar deste!
    E... na verdade, eu mais vim aqui por causa do seu comentário no meu blog, sobre a sua experiência com o amanhã. Não sei consolar muito as pessoas, sabe? E, para ser sincera, odeio ser consolada. Já ouvi taaanto "Você está bem?", ou "Meus pêsames", que simplesmente finjo que nada aconteceu comigo, porque é mais fácil. Odeio entrar num lugar e ficar sendo abraçada por causa da minha perda. E é por isso que não vou conseguir te consolar pela sua, só digo que um dia tudo vai ficar bem - pode demorar, mas vai acontecer. E espero, de coração, que você esteja lidando com isso da melhor forma possível. É bem difícil, mas a gente tem de ser forte. E se precisar de uma conversa estou lá no blog, viu?
    Superbeijo pra você, querida!
    Love, Nina.
    http://omundocoloridodanina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nina, Amor é um filme que quero ver há muito tempo. Tenho ele aqui e já até comecei a assistir umas duas vezes, mas como o tempo que tinha pra assistir era só de noite, acabava pegando no sono por conta do cansaço. Mas com certeza assistirei!

      Pois é, também não sou muito boa em consolar as pessoas, por isso nem tentei fazer isso com você depois de ler seu post. Realmente fingir (para os outros, pra nós é impossível) que nada aconteceu torna tudo mais fácil, evita que as pessoas sintam-se obrigadas a dizer coisas que, por mais sinceras que sejam, não amenizam. Também espero que esteja lidando da melhor forma possível com a sua perda. O tempo ajuda bastante! Também estou por aqui, caso precise.

      Grande beijo!

      Excluir
  2. O livro parece ser bastante promissor, fiquei estasiada com a resenha, totalmente ansiando pelo livro, gente, confesso que nunca vi esses livros por aí, quanta curiosidade!!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi flor, primeira vez aqui no seu blog e adorei o espaço. Tão delicado e tranquilo...gostei demais!
    Sobre o livro, eu já tinha visto este livro em outros blogs e gostei muito da capa dele. Mas como em nenhuma das ocasiões cheguei a ler a sinopse, imaginava que ele se tratava de um triller. Nossa, como a gente se enganna né?
    Mas que bom saber que se trata de um romance que aborda um tema tão pouco explorado, na minha opinião, como o mal de Alzheimer.
    Ainda não li nada a respeito e tenho muito pouco conhecimento sobre essa doença.
    Só sei vagamente o que vi num filme chamado Diário de uma Paixão, que vc deve já ter ouvido falar ou até mesmo assistido.
    Na trama do Nicholas, a doença é retratada bem levemente, mas pelo que percebi da sua resenha, em Ausência, ela aparece muito mais. Portanto, com toda certeza entrou pra minha lista de desejados.
    ótimo texto querida, bjokas!

    www.lerepensar.com

    ResponderExcluir
  4. awn, que coisa mais linda! Eu fiquei apaixonada pela resenha, imagine o conteudo todo?

    Boa noite anjo, até mais!
    @esteffanifontes, do blog Aos Dezesseis Anos
    aosdezesseisanos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Carla! Se tem um livro que me deu vontade de ler, foi esse!
    Também com uma resenha dessas....

    obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Carla!

    Já li um livro da Flávia o "Paixão e Liberdade, foi, inclusive, o primeiro livro que resenhei lá no blog e gostei muito. Ainda não tive oportunidade de ler outros livros da autora, mas espero poder fazer isso um dia. Que bom que gostou do livro. E acredito que esses diálogos profundos e que nos fazem refletir seja uma característica dos livros da Flávia... Pois em Paixão e Liberdade os diálogos também eram ótimos.

    Ps: muito fofo o seu blog.

    Beijos, boas leituras!
    Amanda — Lendo & Comentando :)

    ResponderExcluir
  7. Gostei do livro. Primeira resenha dele que leio e não nego que curti bastante. Mesmo. Ah, minha primeira vez aqui *----------* Lindo
    Beijão.

    - VITAMINA DE PIMENTA -

    ResponderExcluir
  8. Olá Carla.
    Não tinha conhecimento algum sobre esse livro, mas adorei saber um pouquinho sobre ele. Tramas que envolvem tantos assuntos misturados, bem proximo do real, nos trazem mais conforto e formas de identificação com cada personagem, mesmo que seja pouco.

    Sucesso sempre,
    Beijos.
    http://bestherapy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi, Carla :)
    Já tinha ouvido falar desse livro, mas confesso que quando li a sinopse pela primeira vez, não me atraiu, sabe?
    Sua resenha me dá vontade de dar uma chance, afinal, você realmente gostou muito né?

    Beijo
    Mariana | Sem querer me intrometer

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro
    Mas me interessei bastante pela estória
    Estou tendo aula de saúde mental e parece
    tem que tem muito a ver com a matéria.
    Parabéns pela resenha, vou procurar pra mim ler.

    Tem selinho pra você lá no blog.
    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Deve ser pesado mesmo uma pessoa perder a sua memória, imagino que o livro deve ser algumas vezes meio angustiante, não? Me interessei bastante pelo livro também! Parabéns pela resenha

    beijos
    Kel
    porumaboaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Esse é aquele livro estilo ame ou odeie...tenho enorme curiosidade em ler, pq me interesso por livros dessa temática...Aforei sua resenha. Simples e objetiva.
    Brubs

    ResponderExcluir
  13. Ultimamente esse livro tem me chamado bastante a atenção espero poder lê-lo em breve pois trás um tema cuja doença é bem traumática...

    Beijos.
    Guilherme - http://umcompulsivoleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi Carla! Tudo bem?
    Adorei sua resenha! O tema do livro é bem delicado, mas da maneira como você disse que é levado, deve ter ficado muito bom. Não conhecia o livro, mas curti muito a premissa. Adoro temas assim tão diferentes. Já ouviu falar do livro Antes de Dormir do SJ Watson? Ele tem um tema semelhante e é muito bom!!!
    Beijos
    ~Lucas
    descobrindolivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Oii, ainda nao conhecia este livro :)
    Gostei..

    Bjoos

    ResponderExcluir
  16. Oi!
    Ainda não conhecia o livro.
    Mas apesar de ter gostado da sua resenha, acho que não leria o livro. Ele não faz muito o meu gênero literário.

    BjO
    http://www.the-sook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Não conhecia, mas to louca pra ler. Parece ótimo.

    http://iasmincruz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Nunca tive oportunidade de ler ou assistir nada que tratasse da doença, mas tenho uma idéia de que deve ser ao mesmo tempo lindo e pesado. Não conhecia o livro, mas parece ser bom.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Acho a capa deste livro simples e muito diva. A história é praticamente única, nunca vi um livro tratando da chamada doença do esquecimento... parece muito bom e bem triste.
    Amei a resenha. Beijo

    ResponderExcluir
  20. Cara, que interessante. É um tema que precisa ser tratado com uma sensibilidade ímpar...

    ResponderExcluir
  21. Oi, que livro legal. Gostaria de ter a oportunidade de ler.
    Fiquei arrepiada ao ler sua resenha. Essas questões são reais e pode passar com qualquer um de nós ou nossa família...queria ler.
    Beijinhos
    http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe seu comentário, sua opinião é super importante para nós.

© Entre Aspas - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo