22 de fevereiro de 2017

Resenha: Filho das sombras (Sevenwaters #2) - Juliet Marillier

Sinopse: Filho das Sombras narra a história da jovem Liadan, que, tal como a sua mãe, Sorcha, herdou a habilidade de falar com os espíritos da floresta, os quais lhe segredam que ela deve permanecer, para sempre, em Sevenwaters, se quiser que as ilhas Sagradas sejam retomadas dos bretões. A Irlanda está numa avassaladora guerra, onde um misterioso homem é temido e reconhecido como um mercenário feroz. E, assim como sua mãe no passado, ela acaba por ser capturada e sente-se cada vez mais atraída pelo ser das sombras, apesar de saber da maldição da profecia que Seres da Floresta lhe preveniram...

Filho das sombras é o segundo volume da série Sevenwaters. A resenha do primeiro livro está aqui.

Dezoito anos depois, estamos de volta a Sevenwaters. Sorcha agora é adulta, está casada e é mãe de três filhos: Niamh e os gêmeos Sean e Liadan. Enquanto Niamh, a mais velha, puxou as características físicas dos bretões, Liadan é quase uma cópia de sua mãe, pequenina e delicada. Ela tem com o irmão gêmeo a mesma ligação que sua mãe tinha com seu tio Finbar, o que permite que se falem sem emitir qualquer palavra, através da mente. Há muito mais de Sorcha em Liadan: as habilidades de curandeira, o amor pela floresta e a capacidade de ver e falar com os Seres que lá habitam.

Niamh é linda, chama a atenção de todos sem precisar fazer nada para isso, e todos vislumbram um bom casamento para ela em breve. Sean, apesar de jovem, é um líder nato e o futuro senhor de Sevenwaters. Liadan não pensa em casamento. Foi ensinada pelo pai a lutar, passa os dias colhendo ervas e ajudando a quem precisa e deixa clara a sua vontade de permanecer ali, ao lado de sua família. 

Os Seres da Floresta, porém, parecem gostar de brincar com os humanos, mudar seus planos e direcionar seus passos para o futuro que eles querem, não importando o que aconteça pelo caminho. E se aprendemos algo com Filha da Floresta, é que eles não poupam ninguém de provações e sofrimentos. Muito se comenta sobre um grande mal que achava-se extinto, mas que parece estar prestes a retornar, e sobre uma antiga profecia. Liadan começa a ter visões e sensações de que algo ruim está prestes a acontecer, mas não entende bem nem consegue saber o que é.

As coisas não demoram muito a acontecer. A filha mais velha de Sorcha se vê obrigada a casar às pressas com alguém que não quer, e o motivo é um grande segredo muito bem guardado por seus pais e tios. Logo depois, Liadan é raptada por um bando estranho e perigoso, mercenários liderados pelo chamado Homem Pintado, a quem crimes brutais são atribuídos. Lutas por territórios continuam acontecendo e homens perdendo a vida. Em tudo há uma mistura de ganância dos homens com vontades dos Seres da Floresta.

Durante o período em que esteve com o Homem Pintado e seu bando, Liadan passou por muitas experiências e conheceu sentimentos novos. Mesmo com todos os alertas dados pelos Seres da Floresta, ela mostra ser filha de Sorcha: forte e determinada. Só que ao contrário de sua mãe, que seguiu o que eles mandaram, a jovem de 16 anos resolve desafiá-los. Apesar de saber de todos os riscos de cada decisão que toma ao longo da história, ela se recusa a se submeter a vontade dos Seres, desencadeando uma série de acontecimentos.


O título do livro me fez pensar que se tratava de uma história sobre um homem, mas para a minha feliz surpresa temos novamente uma trama narrada por uma personagem feminina, Liadan. Assim como Sorcha, sua filha se mostra uma personagem de muita força, que luta pelo que acredita e arrisca muita coisa para proteger quem é importante para ela, mesmo quando todos à sua volta acham absurdo. A menina doce e obediente se transforma em uma mulher obstinada quando a vida passa a exigir isso dela. Ela ganhou minha admiração da mesma forma que sua mãe no primeiro livro da série. Os personagens secundários são bem trabalhados e não estão no livro apenas para fazer número, suas histórias e suas ações importam e se ligam à trama principal. 

Filho das sombras aborda mais o romance que seu antecessor. Enquanto Sorcha estava em uma difícil e dolorosa missão para salvar seus irmãos de uma maldição, a jornada de Liadan tem mais a ver com o amor romântico, embora não se restrinja a isso.

Como continuação de uma série, o livro funcionou muito bem. Apesar de ter sua própria história, personagens do volume anterior estão presentes aqui, sabemos o que aconteceu com os que não aparecem e são feitas referências a alguns acontecimentos passados, muitos deles determinantes para o que aconteceu depois. Passado e presente são muito bem costurados. Tão grande quanto o primeiro, este segundo livro não tem nenhuma linha desnecessária. Cada uma das mais de 600 páginas são bem aproveitadas e cheias de acontecimentos. Tédio e monotonia não têm espaço. 

Juliet Marillier mais uma vez conseguiu fazer o leitor se sentir parte daquela família e daquele lugar. Me vi novamente envolvida e fisgada pela trama que ela criou. Referências aos deuses celtas e às celebrações do povo da floresta não faltam, resultando em uma aproximação maior com o universo de Sevenwaters. Neste volume, conhecemos também alguns contos e lendas narrados pelos próprios personagens, o que enriqueceu muito o enredo.

O final foi bem fechadinho, mas alguns pontos tocados ao longo da história certamente serão desenvolvidos nos livros seguintes. E eu mal posso esperar! Leitura recomendadíssima! ;)

*Exemplar cedido pela editora.

20 de fevereiro de 2017

Sorteio Literário de Carnaval

Sorteio de Carnaval TODOS

Olha o Carnaval aí, gente!!
Como não podíamos deixar passar em branco, unimos 27 blogs para desfilar no Sorteio Literário de Carnaval! Vamos rechear a estante de livros nesse carnaval! Não perca tempo e participe do sorteio. São vários livros divididos em 3 kits, com 3 ganhadores por kit. Encontre o seu preferido e participe! Ou participe de todos, aqui pode!

14 de fevereiro de 2017

Para ler ouvindo #4


Olá, pessoal. 
A playlist de hoje é para o livro Ninfeias Negras, um suspense amarradinho e com um final surpreendente. Como em livros do gênero cada detalhe é importante e revelador, e eu não quero dar spoilers em forma de música para quem ainda não leu, me prendi mais ao clima das músicas do que às letras, embora algumas tenham bastante a ver com a história (não vou dizer quais! =P). A primeira é alegre e o vídeo é todo cheio de cores, contrastando com o ar mais sombrio das seguintes, do mesmo jeito que um assassinato de uma forma tão bruta contrastou com a linda paisagem de Giverny. Resenha aqui.


Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho. É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte - principalmente as protagonistas. Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.

Giverny- Chris Rea 

Bones - MsMr

Blue Foundation - Eyes On Fire

 In The Light - The Lumineers


Ah! Sempre recebo comentários de pessoas dizendo que não conseguem ler ouvindo música. Nem eu, gente... O nome da coluna é apenas modo de dizer. A ideia é apenas trazer playlists que tenham a ver com a história, não necessariamente para ouvir durante a leitura. Espero que tenham curtido a de hoje! ;)